Empoderamento de Comunidades e Construção de Movimentos

Nossos convidados Fred Kent e Katherine Peinhardt debatem ‘Placemaking’ como estratégia para a construção de espacos públicos melhores e mais resilientes.

Confira o vídeo com o Diálogo Urbano:

https://youtu.be/9QjO7WO4vkU

Ou leia o diálogo:

Carolina Nunes:

Olá! Eu sou a Carolina Nunes, arquiteta de ecossistemas urbanos da Humanität. Neste Diálogo Urbano, falaremos sobre o Empoderamento de Comunidades e a Construção de Movimentos.

Nosso convidado é Fred Kent. Comprometido em transformar espaços em que vivemos em lugares que amamos, Fred Kent trabalhou com 3.500 comunidades, em 50 países, há mais de 40 anos. Ele é uma liderança no movimento de ‘Placemaking’, que usa a visão e a experiência de uma comunidade para criar melhores espaços públicos.

Como um dos fundadores do ‘Project for Public Spaces’, ele trabalhou em centenas de projetos, incluindo Times Square e Bryant Park na cidade de Nova York; e treinamentos para públicos como o Ministério do Meio Ambiente da Noruega e a Organização de Transporte Holandesa.

Hoje, ele faz parte do ‘Placemaking X’, uma rede para acelerar movimentos de ‘Placemaking’ em todo o mundo, e também trabalha no ‘The Social Life Project’, que mostra espaços amigáveis ​​que promovem a saúde e a vitalidade econômica.

Nossa convidada e co-anfitriã é Katherine Peinhardt. Ela é German Chancellor Fellow e Pesquisadora Visitante no DIE – German Development Institute / Deutsches Institut für Entwicklungspolitik. Sua pesquisa se concentra na combinação de infraestrutura social com planejamento de resiliência, melhorando a resiliência urbana por meio de espaços públicos.

Ela trabalhou como repórter de projetos no ‘Project for Public Spaces’, contando a história do ‘Placemaking’, sintetizando os projetos e promovendo uma narrativa para a construção de cidades em torno de lugares. Katherine também trabalhou no ‘World Resources Institute Ross Center for Sustainable Cities’, coordenando as comunicações digitais e produzindo conteúdo escrito para promover uma visão de desenvolvimento urbano mais sustentável.

Oi Fred! É uma honra conversar com você e ouvir suas experiências sobre o empoderamento de comunidades e a construção de movimentos. Minha primeira pergunta para você é:

Existe uma lacuna entre as pessoas que estão preparadas para discutir o planejamento participativo (por exemplo, arquitetos e incorporadores imobiliários) e as pessoas que precisam de lugares adequados para morar (como pessoas em vulnerabilidade social, comunidades afetadas por desastres socioambientais, etc.).

Nesse sentido, gostaria de perguntar: Como podemos preencher essa lacuna? Quais são as melhores maneiras de se comunicar com os membros de uma comunidade e garantir que sua visão ganhe vida no domínio público? Mas mais do que isso: considerando que nossos sonhos, desejos e demandas são baseados no “mundo que conhecemos”, principalmente em nossas experiências reais: Como podemos garantir que a visão da comunidade não seja limitada pela influência de construtoras e outros interesses?

Fred Kent:

Saudações!

Estou aqui para falar sobre ‘Placemaking’ (criação de lugares) e como as comunidades podem moldar seu futuro.

E quero começar com uma grande ideia. Um arquiteto, e isso na verdade me surpreendeu, Christopher Alexander escreveu um livro chamado ‘A Pattern Language’ (Uma Linguagem de Padrões) e tinha esta citação: “As pessoas são profundamente nutridas pelo processo de criação da totalidade”.

Isso e essas duas pessoas que estão nessa foto, essa mulher, essa mulher idosa, andando numa rua de Paris, nunca saiu da minha mente. Há provavelmente 30 anos atrás, eu a vi lutar bravamente, caminhando por uma rua sem cruzamentos. Em outras palavras: esta rua era uma rua aberta de ambos os lados, com lojas, cafés e coisas desse tipo. Então ela não precisou atravessar um cruzamento. Essa era possivelmente sua caminhada diária. Mas, quando olhei para ela, percebi o seguinte: “Quantas outras pessoas estão em suas casas e não conseguem sair?”

E então eu vi essas duas mulheres em Barcelona há alguns meses, desfrutando de um passeio por um bairro com centenas de outras pessoas, todas passeando. E o prazer que vi em seus rostos! Isso me reconfortou, como um grande abraço. Como quem diz: “Para quem realmente estamos trabalhando, para quem estamos servindo: as pessoas que não vemos? Sim. Os jovens, os velhos, os enfermos, os pobres, os fracos.” Todas essas pessoas são realmente importantes. Mas o que está acontecendo aqui, e a razão pela qual não entendemos isso, esse tipo de atenção às pessoas certas para criar a totalidade que todos realmente desejam. E quando eles têm isso, nossa! As pessoas ficam muito felizes. As ideias do medo, o tipo de objetivos que uma comunidade tem, são objetivos limitados.

As disciplinas isoladas são as que determinam todas as determinações no governo e no mundo profissional. Que o tipo de desenvolvimento é mais orientado ao projeto do que ao local. Por isso não estamos realmente obtendo a totalidade, que uma maneira mais ampla de desenvolvimento pode ter. O projeto é liderado por profissionais, em vez de liderado por locais, com a comunidade tendo um grande papel. E a estrutura e os regulamentos do governo forçam o tipo de apresentação ou os requisitos de que as disciplinas devem estar no comando de tudo.

E isso não funciona. E assim, um dos grandes problemas que sempre tive em mente é: “Como contornar isso?” E quando começamos a trabalhar, temos a seguinte frase: “Cada disciplina se tornou sua própria plateia”. E quando estávamos trabalhando, tivemos que enfrentar todas essas disciplinas, porque todas estavam focadas em suas próprias agendas. Os engenheiros de trânsito, o pessoal de transporte, eles são ‘donos’ das ruas. Os designers são os ‘donos’ dos edifícios. E é o edifício, da maneira como foi projetado – não da maneira como as pessoas o usaram – que se tornou a agenda para eles. E eles foram julgados por outras pessoas da mesma especialidade, e não pela forma como se deram os resultados nas comunidades onde eles construíram.

E isso costumava ser uma grande parte do fracasso nas comunidades, ou seja, o que elas recebiam não tinha nada a ver com as suas necessidades, ou como realmente queriam viver. E o que aconteceu há cerca de 40 anos, essas são as disciplinas em que trabalhamos, e com as quais trabalhamos. E cada disciplina foi muito difícil, porque todos tinham que estar à mesa, todos tinham que ter a palavra, todos tinham que criar os resultados que desejavam.

Bem, adivinhe o que aconteceu? Essas dezenas de disciplinas se multiplicaram, provavelmente por um fator de duas a cinco vezes. E agora você não pode fazer um projeto em uma cidade sem todas essas diferentes especialidades. E eles são todos especialistas, frequentaram escolas profissionais, são pessoas de alto nível e altamente qualificadas dentro da sua área de conhecimento. Mas eles são qualificados para as pessoas para quem trabalham, nas comunidades? E é aí que acho que há um grande fracasso.

E então o que aconteceu é: criamos todas essas disciplinas isoladas, mas também esses lugares isolados. Portanto, temos todos estes lugares diferentes: os centros comunitários, parques, bibliotecas, estão todos em setores separados, em edifícios diferentes, e cada um deles faz suas próprias coisas. E eles não convergem em torno dos objetivos comuns ou da sensação de um lugar maior. Eles não convergem em torno disso. Portanto, ‘Placemaking’ sempre foi nosso forte. E tornou-se cada vez mais necessário globalmente e há um grande movimento para apoiar isso. Assim, é uma função humana dinâmica. É realmente um ato de libertação, de reivindicação de estaca, de embelezamento, e é na verdade o empoderamento das pessoas. E uma vez que você obtém isso, obtém grandes impactos como resultado disso.

E o que diríamos é o seguinte: quando você se concentra no lugar, muda tudo. E é essa mudança que realmente entrega os resultados que estamos procurando. Por isso, criamos estes 11 princípios e escrevemos um livro chamado ‘How to turn a place around’ (Como mudar um lugar). E o primeiro princípio é que a comunidade é a especialista. E imediatamente tudo muda. Assim que você percebe isso, essa é realmente a questão básica, quem apoiamos e quem são os profissionais reais, que é a comunidade. E que estamos criando um lugar. Não é apenas um design. E que eles não podem fazer isso sozinhos: são necessárias várias camadas de pessoas trabalhando nisso juntos.

E sempre há pessoas que dizem: “Isso não pode ser feito”. Quero dizer, o engenheiro de tráfego dirá: “Bem, você não pode diminuir o tráfego aqui” ou “Você não pode dificultar a conversão” ou “Não vamos tirar uma faixa de tráfego da estrada aqui porque o tráfego é o que impulsiona a economia”. E podemos continuar citando exemplos.

Então o que fazemos é: Criamos uma visão com a comunidade. E criamos o que chamamos de ‘Ativações mais leves, mais rápidas e mais baratas’, e isso se torna a base para o crescimento daquele local.

Carolina Nunes:

Muito obrigada por essa excelente explanação, Fred! E agora, tenho uma segunda pergunta para você: Existem boas práticas no planejamento urbano. Projetos que mudaram não apenas uma praça ou um bairro, mas também a cidade e outros aspectos, como desenvolvimento econômico. Mas esses projetos, embora participativos, geralmente são liderados pelos governos. Você trabalha diretamente com as comunidades.

Você pode fornecer um ou mais exemplos de um movimento liderado pela comunidade que mudaram uma cidade e como eles foram implementados?

Obrigada

Fred Kent:

Então agora eu quero recorrer a um projeto que me deixou absolutamente chocado, quando eu realmente fui vê-lo. Fica em Toronto e foi absolutamente e espantosamente horrível. Não poderia ter sido pior. E, no entanto, ganhou o prêmio de paisagismo para o Canadá, cerca de cinco anos atrás. E é o que chamamos de liderado pelo design.

E então, não muito longe dali, em um parque, em um bairro que teve muitas situações difíceis, como crime e problemas de saúde, havia outro parque com muitas árvores e grama. Mas não usos muito bons. E a pessoa que realmente o transformou estava prestes a ter um bebê e ela teve que decidir se queria… se deveria ter medo ou ficar (assustada) *aborrecida. E ela escolheu ficar (assustada) *aborrecida e você verá o que aconteceu.

Então é isso que chamaríamos de projeto orientado pelo design versus projeto orientado pelo local e eles são tão diferentes. É realmente surpreendente o quão ruim algo pode ser. Este é um lugar chamado Sherbourne Common, em Toronto, perto da orla. E há dois lados de uma rua e, de um lado, esse prédio. Ninguém sabe o que é o edifício. Ele ganhou o prêmio de arquitetura no Canadá naquele ano e ninguém sabe o que é! É uma estação de filtragem de água.

E então, bem ao lado disso, está o seguinte: de um lado, esse parque ou playground, se você quiser chamar assim. E em uma faixa de pedras negras há um tipo de uso e depois em outra faixa, de pedras brancas, gangorras e balanços e alguns assentos. E o que aconteceu: estávamos lá e um casal, uma família surgiu e a criança saiu e começou a brincar nesse parque. Mas então ele percebeu, aquele garoto, que essas pedras brancas deveriam se misturar com as pedras negras. Então ele começou a fazer isso e seus pais ficaram chateados, e eles rapidamente mudaram as pedras de volta para onde elas deveriam estar e foram embora. E então outra família veio. E havia dois filhos mais velhos e esses dois balanços, mas eles estavam a quatro fileiras de distância. E, felizmente, com dois pais, um deles pode estar em um balanço e o outro no outro. Mas eles não permaneceram muito e foram embora. E você se pergunta: como eles poderiam, como alguém poderia projetar algo assim? Para quem foi projetado isso?

E o que aconteceu é que o designer realmente me ligou porque eu coloquei no ‘Hall da Vergonha’. E disse: “Fique fora do meu mundo, você não é um profissional. Você não pode dizer nada sobre isso, porque é sobre o profissional”. Que os profissionais que fazem isso, são os que recebem os prêmios. E você sabe, eles me repreenderam por isto. E eu não poderia estar mais feliz, porque não consigo pensar em um tipo pior de lugar que alguém poderia fazer!

Então … Mas perto dali, em um lugar chamado parque Dufferin Grove, em outro bairro de Toronto, essa mulher, uma mulher grávida, entrou no parque. E há tudo isso que ela chamou de ‘penachos’. E eles, juntos, eles construíram um forno de pão. O forno de pão português. E aqui está. E trouxe todas essas pessoas da comunidade para aquele lugar. E eles têm todos esses eventos. E então um grupo de pessoas construiu uma cozinha, com refeições ao ar livre, para que as pessoas pudessem entrar e comer lá. E então houve uma apresentação em um pequeno caminho que tinha colinas de ambos os lados, para que as pessoas pudessem sentar nessas colinas e assistir à apresentação.

E então o playground não poderia ter ficado mais bagunçado, mais sujo, mas todo mundo queria estar lá. E então eles tinham um pequeno cano onde a água saiu e tudo mais. Todas essas atividades poderiam realmente ocorrer neste local, e se tornou um verdadeiro destino da comunidade.

Então: isso é bom? Sim, claro, é extraordinário. Mas quem fez isso? Foi uma comunidade que fez isso. E outra, rapidamente, está trabalhando em Detroit. Fomos levados para Detroit, no centro de Detroit, e fizemos um plano comunitário para a cidade, uma visão de ‘placemaking’ e eles implementaram a visão. Em cerca de quatro meses, estamos fazendo o que chamamos de “ativações mais baratas, mais leves, mais rápidas”. E algo assim se tornou isso, seis meses depois que fizemos o plano. E eles colocaram uma praia no centro de Detroit. E isso puxou todos os bairros para se tornar o destino de toda a cidade. Jogos foram trazidos para as pessoas jogarem, havia mercados e cafés. E a pessoa que começou a construir sua identidade em Detroit, Dan Gilbert, comprou todos esses edifícios e criou esse espaço público. Mas foi o espaço público que levou ao resultado. Eles não aceitariam algo de pequenas proporções. Então eles fizeram um espaço público e o tornaram aberto e dinâmico.

E então, a estratégia para implementar algo assim é ‘mais leve, mais rápida e mais barata’. Você cria energia, âncoras energéticas de atividade, cria uma multidão de ideias, cria uma festa em movimento, ganha vida nas ruas e traz de dentro para fora. E esse se tornou de longe o maior destino de Detroit, e fez parte da incrível reviravolta de toda a cidade de Detroit. Portanto, os projetos orientados pelo design, orientados pelo local, orientados pela comunidade e orientados a programas são realmente soluções e direcionamentos alternativos de como criar cidades do futuro.

Carolina Nunes:

Obrigada, Fred, sou muito grata pelas suas contribuições. Obrigada por compartilhar isso. 

Querida Katherine, é um prazer ter você como convidada e coanfitriã neste Diálogo Urbano. E eu também tenho uma pergunta para você:

O planejamento da resiliência urbana está se tornando cada vez mais importante neste contexto de mudanças climáticas. Muitas cidades ao redor do mundo estão investindo em resiliência “cinza”, como muros e diques, e infraestrutura “verde”, como telhados verdes e jardins de chuva. Embora essas infra-estruturas tenham um papel importante, às vezes podemos sentir uma “falta de humanidade” nesse processo. As pessoas não passam de números: o número de pessoas afetadas por um evento climático, o número de pessoas protegidas após a construção de infraestruturas, etc. O planejamento urbano e de desastres são considerados separados do planejamento comunitário.

Nesse sentido, gostaria de perguntar: como podemos construir resiliência usando o processo de ‘Placemaking’? Por que isso é importante? Como podemos melhorar não apenas os resultados esperados em caso de desastre, mas também as conexões entre pessoas e natureza? Qual o papel dos espaços públicos no planejamento da resiliência, mas também na qualidade de vida?

Obrigada

Katherine Peinhardt:

Resiliência geralmente é um termo que, quando as pessoas ouvem, pensam em muros de proteção contra o mar, ou em outras grandes infra-estruturas que protegem fisicamente uma comunidade dos impactos das mudanças climáticas. E embora isso faça parte, acho que se perde o ponto em que a infraestrutura social se relaciona com a maneira como reagimos a um choque ou perturbação, seja relacionada ao clima ou não. A resiliência, assim como a sustentabilidade, é bastante multifacetada. E além de abordar os espaços físicos e como eles absorvem os impactos, ele se estende à maneira como as comunidades funcionam e à forma como interagimos, se há confiança. Eu acho que a resiliência e o ‘placemaking’ estão ligados porque ambos se relacionam, ou dependem, muito da infraestrutura social. Portanto, o espaço público e a organização do espaço apoiam a infraestrutura social onde as pessoas estabelecem esses laços cruciais, constroem confiança e aprendem a contar umas com as outras nos momentos de necessidade. Como resultado, acho que o ‘placemaking’ pode ser uma ferramenta realmente forte para a construção de resiliência. Focar muito em medidas ‘físicas’, como escolhas de paisagismo, seria perder uma enorme oportunidade de cultivar o lado social da resiliência. E é aí que entra o ‘placemaking’. Para finalizar: eu acho que, neste momento, há uma linha que une ‘placemaking’ e ação climática como comunidades de prática. Na medida em que ambos parecem estar mudando a maneira como lidam e falam sobre equidade e inclusão, como um foco norteador. Por exemplo: o movimento climático, em geral, parece finalmente estar ouvindo as pessoas, que vêm dizendo, há muito tempo, que a ação climática não pode ocorrer sem o reconhecimento e a ação sobre o racismo ambiental de longa data. Por outro lado, o ‘placemaking’ também é cada vez mais sobre escuta atenta. Aproveitar os recursos e o conhecimento de uma comunidade e, ao mesmo tempo, reconhecer sua história, especialmente as partes mais difíceis e complicadas.

A questão do ‘placemaking’ é que ele pode fortalecer nossas comunidades, não apenas nos piores dias em que temos que lidar com uma perturbação ou desastre de algum tipo, mas também nos melhores dias dos dias normais, quando apenas cria o pano de fundo para a vida social em uma cidade. Penso que existem algumas coisas que podem ajudar a guiar a mistura entre resiliência física e social, através das lentes do espaço público. 

E o primeiro deles seria tornar o espaço útil no dia a dia. Para ilustrar isso: Esta é uma foto do muro de proteção no Stanley Park, em Vancouver, que combina proteção contra inundações com espaços projetados para caminhadas e ciclismo, no maior e ininterrupto caminho marítimo do mundo. Originalmente, visava principalmente a proteção contra inundações. Mas, além de criar o que poderia facilmente ter sido um espaço morto, com uma paisagem dura, inativa e resistente a inundações, os projetistas do muro de proteção criaram uma das áreas de lazer preferidas da cidade, que conecta as destinações por toda a cidade. Portanto, a resiliência física, aqui, tem camadas de uso recreativo do dia a dia, funcional e vibrante.

Minha segunda recomendação seria tornar os espaços públicos um centro de recuperação. Então, para este, meu exemplo é em Houston, Texas. Após o furacão Harvey, Houston ficou com muitas inundações, o Baker Ripley Center foi rapidamente transformado em um centro de serviços de emergência e voluntários, porque já era visto como um local bem equipado para fornecer serviços comunitários, como creches, bibliotecas e um estúdio de arte. Conseguiu permanecer como uma força motriz por trás dos processos de recuperação de desastres. Obviamente, essa mobilização exigiu muito esforço de comunicação e organização, mas se tornou muito mais fácil quando ocorre em um centro comunitário em que há confiança.

Minha terceira recomendação seria misturar usos sociais e físicos. E para isso, meu exemplo está em Toronto. O Corktown Common Park, em Toronto, era uma antiga área industrial degradada, que agora faz um ótimo trabalho ao misturar usos humanos e ecológicos de um espaço. Combina os pântanos, pradarias urbanas e os sistemas de gerenciamento de águas subterrâneas com caminhos e playgrounds que as pessoas podem usar. No nível de resiliência física, a estrutura do parque divide a área em duas seções: uma delas, que foi projetada para inundar, e a outra, protegida pelo desenho do projeto, situada no topo das encostas das estruturas de retenção de inundação. Mas em um dia sem enchentes, todos esses usos se fundem em um espaço público coeso, e ativo durante o ano todo.

Em seguida, eu recomendaria que as pessoas acomodassem as realidades locais da crise climática, e adaptassem suas soluções, aos impactos reais que uma comunidade específica estará vendo. E para isso, quero falar sobre Hunter’s Point South e Long Island City. É um antigo local pós-industrial que foi reaproveitado como um espaço à beira-mar. E faz parte do plano de parques sustentáveis ​​da cidade de Nova York, projetado para acomodar tempestades através de um sistema de pântanos e barreiras contra marés. Todos esses são recursos que foram testados preliminarmente sob a forma do furacão Sandy. Além de seus programas de educação ambiental e administração, o parque está melhorando a resiliência da área, à medida que protege os moradores do Queens dos impactos climáticos locais relevantes, como aumento do nível do mar e tempestades mais fortes. Está, entre uma série de outros lugares na cidade de Nova York, projetado tendo o aumento do nível do mar em mente, entre eles a ilha ‘Governor’s Island’.

Minha última recomendação seria atender às necessidades locais de maneira lúdica. Essa é particularmente emocionante para mim, pois espero que seja um dos meus estudos de caso, no meu projeto de pesquisa agora. E todos sabemos que Roterdã tem uma necessidade aparentemente constante de armazenamento de águas pluviais, refletida na estratégia de resiliência climática da cidade. Este é o plano hídrico ‘Benthemplein’, parte do primeiro distrito ‘à prova do clima’ de Roterdã. E é uma praça de água alagável que incorpora assentos e um espaço de recreação aberto, mas que também funciona como infraestrutura de gerenciamento de águas pluviais. Existem bacias por baixo que foram projetadas para patinação, conectadas por um sistema de calhas de aço ao sistema de águas abertas da cidade. Portanto, é um exemplo de incorporação de brincadeira e resiliência de uma só vez. E faz parte de um esforço mais amplo de Roterdã para se transformar em uma esponja.

Qual o papel dos espaços públicos no planejamento da resiliência, mas também na qualidade de vida? O espaço público está na intersecção de muitos dos desafios globais atuais, seja equidade, saúde pública, qualidade do ar ou resiliência. Nossos parques, estradas e mercados são oportunidades para melhorar a qualidade de vida de muitas maneiras diferentes, seja através dos benefícios comprovados de saúde mental do acesso ao espaço verde, ou de melhores resultados de segurança, provenientes de estradas que priorizam a saúde humana em vez do tráfego de veículos. Mas devemos ter em mente que eles só podem proporcionar esses benefícios quando são projetados, programados, mobiliados e gerenciados de forma eficaz, e com a contribuição de toda a comunidade, que é onde entra o ‘placemaking’. Ter acesso ao espaço público é algo que há muito é desigual dentre as cidades. Portanto, os benefícios do espaço público geralmente não atingem as pessoas que moram longe dos parques, ou que não são bem servidas pelo transporte público e assim por diante. Mais uma vez, o espaço público e a resiliência climática devem ser impulsionados por uma inclusão significativa, a fim de garantir que todos tenham acesso ao progresso alcançado em qualquer uma dessas áreas.

Katherine Peinhardt:

Agora eu tenho uma pergunta para você, Fred. Nos tempos em que grupos ambientalistas e climáticos, como ‘Fridays for Future’, estão crescendo rapidamente, como você acha que o movimento de ‘placemaking’ e o movimento climático podem convergir?

Fred Kent:

Eu quero falar sobre como as mudanças climáticas e a catástrofe global com a qual todos estamos confrontados podem ter um benefício enorme ao trabalhar em comunidades em todo o mundo. E acreditamos firmemente que tornar as comunidades saudáveis ​​e bem-sucedidas, em torno de amplas questões, como convergência de sustentabilidade, sistemas alimentares locais, transporte e preservação, economias locais, energia e consumo, resiliência: tudo isso se reunindo em locais específicos. E que pode ter, coletivamente, enorme impacto no futuro do planeta e no futuro de todas as comunidades. Todo mundo ganha. E todos nós podemos nos tornar parte de um mundo em que queremos viver, em que podemos viver, e isso dará um futuro ao planeta.

Então, se nós … Uma das coisas mais básicas é o local de encontro. O local de encontro central, a praça cívica, a praça pública que há muito é reconhecida. Mesmo as culturas indígenas teriam esses locais de reunião em volta de uma fogueira em lugares distantes. E como as cidades se desenvolveram até os últimos 100 anos. Elas foram construídas em torno de uma série de pontos de encontro de praças. Então o carro apareceu, e o futuro das cidades se transformou em uma malha viária, que tirou toda a ideia do espaço central de encontro. E perdemos isso, e temos que voltar a isso. E uma das maneiras pelas quais você pode fazer isso é agir dessa maneira:

Eis a Universidade de Harvard, e este é o antigo campus de Harvard. E por 375 anos não havia nada lá e, de repente, um dia eles colocaram cadeiras lá fora. E cadeiras de tipos diferentes para que as pessoas pudessem fazer coisas diferentes nelas. Era apenas aquela simples ideia de que isso poderia ser feito, isso poderia ser mudado. E então, toda a ideia de ter mercados, você pode ter um mercado para consertar computadores, ou seu liquidificador, ou o que quer que seja. Todas essas coisas podem ser feitas por pessoas que sabem como fazê-lo. Mas esses mercados são consagrados pelo tempo, seu histórico também desde o início dos tempos.

E você pode tomar as ruas. Perdemos completamente a ideia das ruas como espaços públicos, mas você pode devolver isso a elas. E este lugar em Buenos Aires toma a rua de volta e faz uma praça onde era um cruzamento. E então você pode aplicar o design, em vez de criar objetos que ganham um prêmio de design. Você pode realmente criar o embasamento de um edifício que fica ao nível dos olhos. É uma atração, porque é definida pelas pessoas e não pela arquitetura. E você pode ter edifícios realmente bonitos na escala humana. E então toda a ideia dos centros comunitários: como transformar uma biblioteca e um centro cultural inteiros em uma série de lugares definidos pela natureza humana?

E você pode aproveitar as margens do rio, à medida que elas se tornam centrais na definição de uma cidade. Lugares como Porto, em Portugal, são definidos pela orla fluvial de ambos os lados. É uma das mais extraordinárias orlas públicas de todo o mundo. E você pode pegar destinos culturais e tirá-los de seus edifícios. E colocá-los perto do rio, como uma livraria, ou um grande quadro-negro, e ver as pessoas se envolverem totalmente nisso. E querendo estar e chegar lá regularmente. E então você pode ter toda a ideia de diferentes itens, ou peças de arte e escultura. E as pessoas podem vir e rolar pela grama artificial e subir nas estátuas. E você tem uma quantidade enorme de risadas e prazer, e pessoas de diferentes culturas se juntam. E esse lugar se torna sagrado em suas mentes. E você também pode simplesmente oferecer ótimas instalações, como cadeiras e flores e, de repente, descobrirá que é para onde os casais apaixonados vão.

Então, vou encerrar com isso, temos essa frase, com uma ideia realmente fantástica: se a arquitetura é música congelada (que hoje em grande parte é isso) e o planejamento é composição, ‘placemaking’ é uma performance de rua improvisada. E é essa improvisação, esse processo interativo de criar lugares dos quais as pessoas querem fazer parte, que pode realmente produzir um futuro do qual todos queremos fazer parte. Portanto, a ideia de que esses movimentos se reúnem em um local definido pelas comunidades, cada comunidade de maneira diferente por sua própria identidade e sustentabilidade, podemos ter um planeta que está prosperando para todos. É inclusivo, equitativo, dinâmico, e é um exemplo muito poderoso. Comunidade por comunidade do mundo, podemos viver juntos para o futuro.

Carolina Nunes:

Muito obrigada Fred! E muito obrigada Katherine! As respostas de vocês foram muito úteis.

Muitas vezes, a arquitetura e urbanismo se preocupam demasiadamente com a imagem, com a foto dos lugares, em vez de se preocuparem com a maneira como os espaços serão apropriados pelas comunidades em que os projetos estão inseridos. Da mesma forma, o planejamento de resiliência frequentemente se preocupa com aspectos físicos da resiliência, deixando aspectos humanos em segundo plano. E as reflexões de vocês foram muito importantes, trazendo as pessoas para o centro das discussões, e o ‘placemaking’ traz essa experiência das comunidades para criarmos melhores espaços públicos.

Muito obrigada!

Deixe um comentário